sexta-feira, 19 de setembro de 2014

E o bebê ficou dodói


O Vince, essa semana, ficou doente. Ele passou super bem o final de semana e começou a apresentar uma febre baixa na segunda-feira a tarde (38°C). Essa febre evoluiu para um quadro que chamamos de bacteremia, quando há diminuição da perfusão periferica, cianose de extremidades, taquicardia, e respiração irregular, que pode preceder ou vir junto com o aumento da temperatura ( em outras palavras, ele ficou com a respiração bastante cansada, os pés, as mãos e os lábios arroxeados e tremendo bastante). 
Realmente, como a descrição dos sintomas mesmo mostra, não é um quadro muito agradável de ver o seu filho apresentar... Cheguei a coloca-lo no carro para leva-lo para a emergência, mas o quadro recrudesceu no caminho para o hospital e como esse quadro esta muito ligado a infecções bacterianas, mesmo sem achar o foco infeccioso, iniciei o uso de antibiotico via oral.
Naquela tarde, quando eu peguei o Vince na escola, ele já tinha um hemograma programado pra fazer que havia sido solicitado pelo medico dele e eu aproveitei e colhi também outros exames por causa da febre e a noite, quando chequei os resultados, estavam todos normais. 

Essa foto eu tirei no laboratorio, enquanto a gente esperava o raio X ficar pronto. Ele estava com febre, sonolento e irritado... Tadinho... :(

Ele continuou com febre por 3 dias, eu repeti os exames depois de 2 dias, que desta vez mostravam uma reação do organismo a infecção, mas continuamos sem achar o foco. No mais, apesar da febre ele manteve-se sempre brincando, rindo, e se alimentando muito bem. 
Na noite do terceiro dia, ao invés de febre, ele apresentou hipotermia (quando a temperatura fica menor de 36°C), o que na maioria das vezes, principalmente nas crianças abaixo dos 3 anos, tem o mesmo valor da febre, ou seja, é um sinal de infecção, só é mais dificil de lidar.  Para a febre, temos os antitérmicos, mas para a hipotermia, não há medicação. Embrulhei ele nas cobertas, liguei o aquecedor do quarto, e fiquei ao lado dele, esperando melhorar, o que só foi acontecer realmente por volta das 05h da manhã. 
Ele ainda teve outro episódio de hipotermia na manhã do quarto dia e então, finalmente melhorou. Desde ontem esta sem febre e sem hipotermia, esta usando o antibiotico, mantendo sempre o bom estado geral e a boa aceitação alimentar.
Esse é o Vince com 38,5 de febre, de olho no nosso pãozinho. Rsss

O que eu quero ressaltar contando essa experiência pra vocês é que: 
- nem sempre encontramos o foco da infecção, ou conseguimos saber exatamente o que esta acontecendo com o organismo da criança. E isso acontece com o filho de qualquer um, inclusive com o dos médicos e dos pediatras. 
- o que garantiu que o Vince não fosse internado para maior investigação do quadro foi o bom estado geral e a aceitação alimentar. Se ele tivese parado de se alimentar ou tivesse ficado abatido, quieto, era hora de ampliar a investigação. E isso é uma alerta pra todo mundo: mudou o comprtamento, parou de comer, é hora de voltar no médico.
- uso do antibiotico: normalmente não entramos com antibiótico sem achar o foco, ou aguardamos um, dois, até 3 dias de febre para depois pensar em começar o medicamento, então, porque eu fiz diferente? Por causa da bacteremia. Esse quadro feio que eu descrevi pra vocês no começo esta muito ligado a infecção bacteriana.

Resumindo: procure sempre o pronto atendimento, se:
- seu filho apresentar febre alta (>39°C)
- seu filho começar a ficar mais amoado, quieto e se recusar a comer, ou diminuir muito a aceitação alimentar
- seu filho apresentar tremores, pés, mãos ou labios arroxeados ou dificuldade de respiração (respiração irregular, parecer cansado). 

Ter uma criança doente em casa é sempre uma preocupação, mas é preciso ter paciência, dar tempo para o organismo da criança reagir e ficar atento ao aparecimento de novos sintomas ou mudança no quadro geral anterior. E sempre procurar dar conforto, carinho e atenção à criança nesse momento. Quando ela esta doente, não é o dia de corrigir nada, ela pode comer os alimentos que aprecia mais, pode mamar mais do que comer, pode dormir no seu colo, na sua cama, pode ficar de pijama o dia todo, etc... O principal que uma mãe deve fazer é encher a criança de carinho. 
Esse é ele ontem a noite, bem melhor, s febre, sem hipotermia. Graças a Deus!! 

Um comentário:

Érika Mozer disse...

Graças a Deus seu filho Vincenzo está bem. É muito angustiante e nosso coração fica do tamanho de uma noz. Obrigada pelas dicas, alertas e procedimentos. Fiquem todos na paz de Deus e que o anjinho da guarda proteja todos bebês.